Em Parauapebas agentes de segurança recebem treinamentos para trabalhos de busca e resgate com uso de cães

0

Com o objetivo de formar um grupo para o trabalho de resgate pessoas desaparecidas e localização e identificação de cadáveres em Parauapebas e região com uso de cães farejadores, as forças de segurança pública do município participam de treinamento de odor, a iniciativa visa preparar os cães que já atuam com o trabalho de combate ao tráfico de drogas e armas, para que eles também possam ajudar na busca por pessoas desaparecidas ou na localização de cadáveres.

O treinamento iniciou nesta sexta-feira, 21, e conta com a participação da Guarda Municipal, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, além de três cães farejadores que são submetidos ao treinamento justamente para auxiliar a equipe com o trabalho de buscas e resgates, além de contribuir na identificação e localização de foragidos da justiça.

Por possuírem um sentido aguçado o cão, é utilizado pelos órgãos de segurança pública que tem ajudado no combate ao tráfico de drogas. Hoje em Parauapebas, a Guarda Municipal conta com a parceria entre homem e animal para combater esse tipo de crime na região, o que tem mudado o cenário na cidade, e com mais essa função e apoio do animal, os trabalhos ganham reforço com resultado positivo.

Os cães são treinados para reconhecer o cheiro da pessoa procurada a partir de objetos, que são colocados dentro de um saco para que o odor possa ser transferido. O material é colocado próximo ao focinho dos animais por alguns segundos para que seja detectado. Em seguida, eles são recompensados com brincadeiras ao ficarem quietos para sentir o cheiro e depois partem para a caça. Ao encontrarem o procurado reconhecendo o rastro do odor, eles são recompensados novamente.

“O objetivo do trabalho é ajudar na investigação de crimes ou até mesmo em situações de desastres naturais, como deslizamentos nos morros que tenham vítimas desaparecidas. O treinamento é importante para que os animais auxiliem o humano nesse processo, através do faro” Frisou Instrutor Joavan, que atua na Guarda Municipal de Belém.

O Sargento Matias da Polícia Militar explica que a ideia de criar o grupo surgiu após perceber o grande índice de pessoas que se perdem na região. Para que o processo ocorra de forma eficaz, o cão entra como peça principal desse trabalho, ficando ele responsável de identificar por meio do faro a localização de desaparecidos.

“Estamos criando o Grupo de Busca Resgate e Salvamento – G.B.R.S, e o treinamento visa qualificar os membros, com o uso do animal neste trabalho, o que irá auxiliar na detecção de busca de pessoas e cadáveres. ”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.